Faixa publicitária

Outros destaques

2ª Edição da Feira Agro-pecuária e Pescas

Quinta, 13 Agosto 2015

10 Anos do INIP

Terça, 23 Junho 2015

III REUNIÃO TÉCNICA DE INSPECÇÃO DO PESCADO 2013

Quarta, 16 Outubro 2013
Todos destaques

Eventos

Não existem eventos programados.

Inquérito

O que acha da nova imagem do site do INIP
 

Galeria de imagens

Galeria de imagens
Home O Instituto Historial
Historial PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Quinta, 21 Julho 2011 12:05
Evolução Histórica

No contexto da política económica do regime colonial português foi reservado para Moçambique o papel de consumidor dos excedentes de pescado de Portugal, Angola e África do Sul.

A ausência de um órgão de direcção e promoção do desenvolvimento do sector pesqueiro, constituía uma importante componente da estratégia para a preservação do objectivo.

As capitanias assumiam as funções de administração, gestão, ordenamento e fiscalização da pesca artesanal.

Apenas na década de 60 um pequeno grupo de pequenos armadores portugueses fôra autorizado a operar as suas traineiras, na pesca à linha, com base em Maputo, Inhambane e Beira.

Já no fim da mesma década foi prorrogada a proibição das artes de arrasto, do que resultou a emissão de licenças para a captura do camarão a alguns investidores portugueses, tendo sido autorizada, também, a conversão de algumas traineiras, na cidade da Beira, para o arrasto de camarão.

A abertura da pescaria de camarão não colidia com a referida estratégia, pois que este se destinava à exportação e a fauna acompanhante (peixe lixo) era devolvida ao mar.

Neste quadro, não havia “mercado” para o exercício da tecnologia do pescado, exceptuando-se os produtores industriais de camarão, cujo processamento ocorria a bordo.

Também na década de 60 foi criada a MEBPM – Missão de Estudos Bioceanológicos e de Pescas de Moçambique, tutelada pelo então Ministério do Ultramar, a única instituição criada no período colonial, com mandato para a investigação pesqueira.

Em 1972, ano em que a MEBPM foi transferida para as instalações, hoje, ocupadas pela Escola de Pesca, na Matola, foi nomeado seu Director o Professor Doutor Martins Mendes que até então chefiava um “departamento de alimentos” na Faculdade de Veterinária.

No momento da sua nomeação já iniciara um importante trabalho sobre o pleno aproveitamento do tubarão, facto que pesou na criação do respectivo Laboratório de Tecnologia de Pescado na MEBPM, com base no qual prosseguiu os seus objectivos.

Na FACIM/73, o professor expôs alguns produtos alvos do estudo, nomeadamente:
  • Pele de tubarão curtida e alguns objectos manufacturados –carteiras, cintos, sapatos
  • Óleo de fígado de tubarão
  • Barbatanas
  • Queixadas
  • Pasteis de “bacalhau”
  • Filetes frescos
  • Postas de “bacalhau” salgadas-secas

Da vocação do professor resultou, em 1972, a institucionalização da Tecnologia do Pescado.

Em Janeiro de 1976 é criado o 1º órgão de direcção de sector pesqueiro – a DNP – Direcção Nacional das Pescas, tutelada pelo então MIC- Ministério da Indústria e Comércio.

Com base na herdada MEBPM constituiu-se um dos 3 serviços executivos da DNP, o SIP – Serviço de Investigação Pesqueira, cuja direcção foi assumida por acumulação pelo então recém-nomeado Director Nacional das Pescas, Dr. Sérgio Basulto del Campo, cidadão Chileno de reconhecida competência e espírito internacionalista.

Dos 7 biólogos moçambicanos herdados, nenhum estava vinculado ao referido Laboratório de Tecnologia do Pescado, pelo que ocorreu a rotura da função.

No 2º quinquénio dos anos 70 o SIP priorizou a monitoria da pescaria de camarão e a prospecção de recursos com base em cruzeiros de investigação patrocinados pela Noruega, FAO, RDA e URSS.

Em 1979 é nomeado o primeiro Secretário de Estado das Pescas – o Sr. Smart Edward Katawala, não tendo sido extinta a DNP.

Como resultado da capacitação dos jovens quadros da DNP e da evolução do sector, no fim do referido quinquénio, já estavam identificadas lacunas de funções vitais para a promoção do desenvolvimento pesqueiro, nomeadamente a tecnologia da pesca, a tecnologia do pescado e a aquacultura.

Tendo em vista o seu enquadramento institucional foi criado o IDP – Instituto de Desenvolvimento Pesqueiro, tendo sido extinto o SIP.

No processo de recrutamento de assistência técnica, no âmbito da cooperação e, para a conformação dos respectivos pelouros, o recém-criado dTP – Departamento de Tecnologia do Pescado do IDP, terá sido o mais privilegiado pela afectação de técnicos qualificados e com uma assinalável capacidade de integração, de que destacamos o holandês Hans Pelgrom, o dinamarquês Jorgen Jensen, o G. Mocking e o brasileiro Ko Watanabe, sendo suas contrapartes, entre outros, as Sras. Luísa Arthur e Helena Motta.

De entre outras e bastantes actividades, maioritariamente vinculadas à pesca artesanal, algumas das quais enquadradas no SPP - Serviço de Pesca Popular, poder-se-á destacar a sua participação no processo de criação da fábrica de conservas na baixa da cidade de Maputo e da fábrica de processamento de pescado, na Machava, equipada com um secador mecânico e com condições necessárias ao processamento de TUSASE - tubarão seco salgado e, ainda, a assistência aos CP´s – Combinados Pesqueiros.
Em 1980 foi nomeado o Dr. Joaquim Tenreiro de Almeida que conduziu o processo de criação da SEP - Secretaria de Estado das Pescas.

Em 1984, o IDP organizou a 1ª Reunião Nacional de Investigação, com pleno sucesso, para o qual muito contribuíram técnicos de reputação internacional, de que nos permitimos destacar os cientistas Gunnar Saetersdal e Emygdio Cadima.

A referida Reunião Nacional, apresentados os relatórios, constitui-se num momento de reflexão ímpar.

Tendo-se constatado alguns sinais de sobrepesca ou da sua iminência em diferentes pescarias artesanais, semi-industriais e industriais como eram o caso da magumba, do camarão, lagosta, carapau e cavala, para além das medidas técnicas adoptadas, deliberou-se que a instituição deveria vocacionar-se, prioritariamente, para a monitoria das diferentes pescarias, de que resultou a criação do IIP – Instituto de Investigação Pesqueira.

Neste processo os técnicos de pesca liderados pelo tecnólogo japonês Mihara foram transferidos para a UDPPE – Unidade de Direcção da Pesca de Pequena Escala, o departamento de Aquacultura, por falta de alternativa, manteve-se no seio do IIP e, quanto ao dTP, uma parte dos seus técnicos foram transferidos para a Emopesca “Holding” e a outra para a SEP, tendo-se, posteriormente constituído o dIP – departamento de Inspecção do Pescado sob tutela da DNAP – Direcção Nacional de Administração Pesqueira.

No contexto do MAP – Ministério de Agricultura e Pescas, criado em 1994, o dIP manteve o mesmo estatuto, desta feita subordinado à Direcção Nacional das Pescas, constituída no contexto da orgânica adoptada pelo MAP.

Permanecendo a exigência de manter o nível de receitas em moeda convertível, tornava-se emergente a necessidade de capacitar a função de inspecção do pescado por forma a corresponder às crescentes exigências da Europa, cujo mercado absorve grande parte do camarão e outros produtos, ainda que em menor escala.

Assim, constituído o MP – Ministério das Pescas, em 2000, sob a liderança do Sr. Cadmiel Mutemba e, no exercício da elaboração da sua estrutura orgânica, atribuiu-se ao dIP o estatuto de departamento central, do que resultou uma estatura que lhe permitia um maior poder de negociação com a EU – União Europeia e uma mais eficaz capacidade de intervenção na indústria.

Entretanto, se por um lado as exigências da Europa mantinham um ritmo evolutivo, por outro lado o dIP é solicitado para, crescentemente, intervir no processo da qualidade dos produtos para consumo interno, até à perspectiva de regulamentar o papel das distintas autoridades – Veterinária, Saúde, Marinha, Municípios... coordenando a sua actividade, aos níveis provincial e central.

No quadro da elaboração da proposta de Reforma do Sector Público, constatando-se a complexidade da função e a capacidade de garantir o seu funcionamento com base nas receitas das taxas instituídas, tornou-se evidente a necessidade de se constituir uma instituição autónoma coma estatura necessária para enfrentar os desafios impostos pelo processo de promoção do desenvolvimento, particularmente os desafios que, posteriormente, foram plasmados no PESPA – Plano Estratégico do Sub-sector da Pesca Artesanal e, a manutenção do País na lista 1 da União Europeia.

É assim que aos 24 de Junho de 2005, pelo Decreto Nº 18/2005 foi criado o INIP – Instituto Nacional de Inspecção do Pescado, instituição pública dotada de personalidade jurídica e autonomia administrativa, tutelada pelo MP Resumidamente compete ao INIP:
  • O licenciamento sanitário de embarcações e estabelecimentos de manuseamento e processamento de pescado e meios de transporte de produtos da pesca e aquacultura;
  • A certificação sanitária dos produtos da pesca e aquacultura;
  • Análises laboratoriais dos produtos da pesca e aquacultura.

Para o correcto exercício das suas atribuições o INIP priorizou a regulamentação da actividade, tendo já emitido:
  • Decreto nº 17/2001 de 12 de Junho - Regulamento de Inspecção e Garantia de Qualidade dos Produtos da Pesca
  • Despacho de 2 de Junho de 2004 - Fixa as taxas a pagar pela prestação de Serviços de Certificação e Licenciamento Sanitário e de Análises Laboratoriais
  • Ordem de Serviço Nº 1/GMP/06 – Aprova o Plano Nacional de Controlo de Resíduos (PNCR )
  • Diploma Ministerial nº 93/2007 de 25 de Julho - Aprova os Procedimentos para a Emissão de Autorização Sanitária para Embarcações de operações conexas, Embarcações de pesca semi- industrial congeladoras e a gelo
  • Diploma Ministerial nº 94/2007 de 25 de Julho - Aprova os Procedimentos para a Emissão de Autorização Sanitária de Instalação e/ou Modificação de Licença Sanitária de Funcionamento e de Verificação de Funcionamento de Estabelecimentos de Produtos da Pesca e da Aquacultura
  • Procedimentos para a Certificação Sanitária de Produtos da Pesca e da Aquacultura
 

Links úteis

Newsletter